9.2/10

A guerra que salvou a minha vida – Resenha

agosto 29, 2017


Compartilhe esse artigo com os amigos:

A Guerra que Salvou a Minha Vida é um daqueles romances que você lê com um nó no peito, sorrisos no rosto e – entre um parágrafo e outro – lagrimas nos olhos. Uma obra sobre as muitas batalhas que precisamos vencer para conquistar nosso lugar no mundo. Ada tem dez anos (ao menos é o que ela acha). A menina nunca saiu de casa, para não envergonhar a mãe na frente dos outros.

Da janela, vê o irmão brincar, correr, pular – coisas que qualquer criança sabe fazer. Qualquer criança que não tenha nascido com um “pé torto” como o seu. Trancada num apartamento, Ada cuida da casa e do irmão sozinha, além de ter que escapar dos maus-tratos diários que sofre da mãe.

Ainda bem que há uma guerra se aproximando. Os possíveis bombardeios de Hitler são a oportunidade perfeita para Ada e o caçula Jamie deixarem Londres e partirem para o interior, em busca de uma vida melhor.
A Guerra que Salvou a Minha Vida apresenta uma perspectiva da Segunda Guerra Mundial vista pelos olhos de uma menina que se transforma em refugiada no seu próprio país. Mais uma oportunidade perfeita para emocionar corações de todas as idades e relembrar os valores do companheirismo e da amizade em todos os momentos da nossa vida. Vencedor do Newbery Honor Award, primeiro lugar na lista dos mais vendidos do New York Times e adotado em diversas escolas nos Estados Unidos.

 

Pequeno grande livro

Mais uma vez a Darkside Books traz para nossas vidas em livrão! Sim, ele só tem 235 páginas, mais e daí? Quem disse que livros curtos não podem ser um livrão?

Em a guerra que salvou minha vida, logo na primeira página ela já te mostra para o que veio. Nos primeiros diálogos, você já se depara com crueldade. Mas não o tipo de crueldade vista em inúmeros livros sobre a segunda guerra mundial.

Mais uma crueldade vivida em pequenos detalhes, no cotidiano de uma criança que tem uma deficiência, que sofre preconceito por sua própria mãe.

 A guerra que salvou a minha vida

Esse livro se passa durante a Segunda guerra mundial assim como no livro A menina que roubava livros, ele é contado por uma criança. O que de certa forma traz maior profundidade do assunto – na minha opinião – pois assim, podemos conhecer tudo que se passou, de outra forma.

Assim conheceremos Ada e seu irmão James, que vivem com a mãe em um pequeno apartamento em Londres. No entanto, Ada, a mais velha, não pode sair de casa para estudar, pular, correr.. Brincar na rua.

O porque? Ada tem um pé torto, o que faz com que sua mãe à proíba de brincar e conhecer outras pessoas, com medo de que mais pessoas possam ver a deficiência da filha, que ela constantemente chama de Abominação.

“Acha que eu quero o mundo todo vendo a minha vergonha?”

Ada, sempre viveu dentro do pequeno apartamento sem saber andar, e servindo apenas para fazer tarefas para sua mãe que a maltrata, humilha.

A chegada da guerra

No entanto com a chegada da segunda guerra mundial e as ameaças de bombardeamento à Londres, Ada vê através de uma evacuação de crianças, a sua oportunidade de fugir e conhecer o mundo em que ela sempre sonhou estar.

Logo Ada se vê se esforçando ao máximo para aprender a andar, período esse em que a dor e a humilhação só podem aumentar sua força de vontade para que ela possa conhecer coisas novas.

Então chega o grande dia, e Ada e Jamie saem para irem em direção a algo desconhecido, uma nova vida.

Porém, por ela sempre ter vivido trancafiada, Ada desconhece inúmeras coisas, desde palavras à animais, paisagens e modos. Então tudo lá fora é novo, opressor e as vezes até desagradável para ela. O medo, é claro está infiltrado nela. Porém nada tira sua vontade de conhecer e viver algo novo.

Chegando na nova cidade, ápos vários contratempos, eles conhecem a Srta. Smith que será a tutora deles nesse período de evacuação.

Mais como uma garota com tantas coisas a viver e aprender irá lidar com a nova vida? Como ela se livrará da dor e tristeza causada pela mãe?

“Queria que a mamãe fosse igual à Susan.

Não confiava que a Susan fosse diferente da Mãe.”

Obviamente não será nada fácil. E assim se tem inicio à uma linda história forte e tocante de superação, amor, aprendizado e luta.

“Vitória significa paz.”

A crueldade

Mesmo sendo um livro fictício iremos nos pegar ínumeras vezes remoendo a dor vivida por cada personagem. A dor vivida por Ada, mesmo sendo contada em uma época distante conseguimos sentir o preconceito tão concreto naquelas pessoas, preconceito esse que ainda vemos em nosso dia-a-dia.Tão palpável e nojento!

Conseguimos perceber o estrago que esse preconceito causou na vida da pequena Ada, como ela vive com medo, vergonha, achando que todos a sua volta sentem repulsa por um simples pé torto.

E temos também a questão de tudo se passar em meio a segunda guerra mundial.Podemos perceber o medo, a constante ameça.O que tantas pessoas passaram, o medo, a fuga… Quantas crianças foram separadas de seus pais. Quantas pessoas realmente se tornaram refugiadas em seu próprio país.

E toda essa guerra criada por preconceito!

” Agora é guerra de verdade.”

O que A guerra que salvou a minha vida trás para nossa realidade?

Mesmo tendo passado tantos e tantos anos desde a Segunda guerra mundial, ainda podemos ver e sentir o que ela causou naquela época para as pessoas e o mundo.

Imagem de Londres ápos bombardeamento da Segunda Guerra Mundial

E hoje? Estamos muito distantes da realidade vivida naquela época?

Imagens de bombardeios no Iraque.

Ainda nos deparamos com tantas perseguições, tanto preconceito por religião, cor, etnia, escolha sexual, e tantas coisas que são realmente banais.

Que devemos parar e pensar. Vale a pena julgar, perseguir, guerrear pelo simples fato da diferença?

Quantas pessoas morreram em combates e perseguições durante a Segunda Guerra Mundial. E quantas tem morrido hoje em dia pelo mesmo motivo? O que isso traz de bom para a civilização? Nada!

Temos vivido em mundo tão corroido pelo ódio e pelo sentimento de superioridade. Que não nos leva a nada. Pelo contrario, só nos diminui, nos mostra como somos medíocres em acreditar que somos mais superiores do que outros!

 

Espero que vocês tenham gostado desta resenha de A guerra que Salvou a minha vida – Adquira aqui.

Confira também nossa resenha de Caixa de Pássaros (Clique aqui) e de It, a Coisa (Clique aqui).

Compartilhe esse artigo com os amigos:

Conclusão

A guerra que salvou a minha vida

  • 8/10
    Autor
  • 8.5/10
    Historia
  • 10/10
    Escrita
  • 9.5/10
    Relevância
  • 10/10
    Arte

Prós

  • Personagens cativantes
  • Enredo bem construido
  • Tema forte

Contras

  • Curto

Nenhum Comentário

Os comentários estão fechados.